São Paulo, 12/02/2014 – Após uma breve realização de lucros, os futuros da soja voltaram a avançar ontem na Bolsa de Chicago (CBOT). Analistas observam que o relatório de oferta e demanda divulgado no começo da semana pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) não alterou em nada a perspectiva de sustentação das cotações.

Além do aperto dos estoques norte-americanos em meio à forte de demanda para exportação, outro fator que inibe as quedas de preço neste momento é a preocupação sobre as condições climáticas na América do Sul. A irregularidade das chuvas e as elevadas temperaturas comprometem as lavouras, sobretudo as que foram semeadas mais tarde e agora se encontram na etapa de enchimento de grão, em vários Estados produtores. Na Argentina, por outro lado, é o excesso de umidade que ameaça a safra 2013/14.

O fato de a China ainda não ter cancelado cargas de soja norte-americana também reforça o viés de alta do mercado no curto prazo, segundo João Paulo Schaffer, analista da Agrinvest. Participantes esperavam que o país asiático desviasse as compras para o Brasil assim que os trabalhos de colheita tivessem início, mas até agora o apetite dos chineses por produto dos EUA continua forte.

No pregão de ontem, o contrato março da oleaginosa fechou com valorização de 9,25 cents (0,7%), a US$ 13,3475 por bushel. Na avaliação de Schaffer, superada a resistência em US$ 13,40 por bushel, o próximo objetivo técnico do vencimento será US$ 13,60 por bushel. Ele também prevê suporte inicial em US$ 13 por bushel e, depois, em US$ 12,90 por bushel.

No mercado interno, aumenta a procura por caminhões com a intensificação da colheita, o que já reflete nos custos de transporte. No trajeto de Cascavel a Paranaguá, o frete, que estava em R$ 70 a tonelada no início de janeiro, quase dobrou para R$ 120 a tonelada, de acordo com um operador da região. Até o porto de Rio Grande, as transportadoras já cobravam R$ 160 a tonelada, acrescentou ele.

Em Mato Grosso, a situação não é diferente. Gilmar Meneghetti, da Diversa Corretora, conta que o trecho de Rondonópolis a Paranaguá já sai por R$ 230 a tonelada e pode chegar a R$ 250 a tonelada ainda nesta semana. Partindo de Sorriso rumo ao mesmo porto, o custo gira em torno de R$ 270 a R$ 280 a tonelada, revelou o corretor. “O frete está subindo cerca de R$ 20/tonelada por semana e há comentários de que atingirá R$ 300 a tonelada”, afirmou Meneghetti.

Com o encarecimento do transporte, o produtor mato-grossense prefere cumprir os contratos firmados anteriormente e negocia apenas lotes pontuais. “Ele vende só da mão para boca para pagar despesas”, disse o corretor da Diversa. Ele relatou que os preços da soja disponível em Rondonópolis caíram cerca de R$ 5/saca desde meados de janeiro devido à entrada da safra e à elevação do frete, passando de R$ 62/saca para R$ 57/saca. No spot, também era possível fechar contrato a R$ 52/saca em Sorriso, a R$ 52,50/saca em Campo Novo do Parecis e a R$ 55/saca em Primavera do Leste e Campo Verde.

Para entrega em março e pagamento em abril, o comprador sinalizava US$ 24,20/saca, mas o produtor queria receber a partir de US$ 25/saca. O último acordo feito por Meneghetti saiu na sexta-feira passada (07), quando 1.500 toneladas do tipo convencional foram comercializadas a R$ 57/saca para retirada em Lucas do Rio Verde.

No oeste paranaense, a proposta de compra para pronta entrega em fábrica no município de Cascavel era R$ 64,50/saca na terça-feira. No Porto de Paranaguá, a pedida estava em R$ 70,50/saca CIF para embarque imediato. Havia relatos de acordos no terminal, mas o agente ouvido pelo Broadcastnão soube precisar volumes. Para prazos mais longos, a fonte disse não ter referência de preço. De acordo com ele, produtores da região estão atentos à possibilidade de chuvas no fim desta semana e início da próxima, na expectativa de que sejam suficientes para melhorar a situação das lavouras.

O índice de preços calculado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq), que reflete cinco praças paranaenses, subiu 0,82% e fechou a R$ 65,52/saca na terça-feira. Em dólar, o índice ficou em US$ 27,27/saca (+1%). A moeda norte-americana fechou o dia cotada a R$ 2,4030 (-0,17%).

COTAÇÕES DO COMPLEXO SOJA NA BOLSA DE CHICAGO

   

  GRÃO

   

  FARELO

   

  ÓLEO

   

  US$/bushel

  cents

   

  US$/ton

  US$

   

  (cents/libra)

  pontos

  mar/14

13,3475

9,25

 mar/14

449,20

5,20

 mar/14

38,85

12

  mai/14

13,2050

8,25

 mai/14

431,20

4,30

 mai/14

39,14

10

  jul/14

13,0175

6,25

 jul/14

418,60

2,50

 jul/14

39,47

12

  ago/14

12,5400

4,50

 ago/14

400,40

1,90

 ago/14

39,54

14

CBOT/Agência Estado

EVOLUÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO FÍSICO DE LOTES

  SOJA EM GRÃO – (R$ por saca de 60 kg) – no atacado

   

  11/02

  10/02

  DIA

  SEMANA

  MÊS

  12 MESES

  Paranaguá

66,20

66,20

+0,00%

-1,84%

-9,74%

+2,52%

  Barreiras

60,00

60,00

+0,00%

+0,55%

-4,00%

+8,30%

  Ponta Grossa

65,99

66,13

-0,21%

+1,34%

-3,47%

+7,62%

  Passo Fundo

67,37

67,27

+0,15%

+1,35%

+1,29%

+10,75%

  Rio Verde

59,00

58,64

+0,61%

+3,15%

-6,54%

+3,27%

  Rondonópolis

57,05

56,64

+0,72%

+3,73%

-0,78%

+12,52%

  Triângulo Mineiro

60,90

60,50

+0,66%

+0,98%

-6,02%

+3,43%

  Oeste do Paraná

64,43

64,02

+0,64%

+3,74%

-3,62%

+9,52%

  Norte do Paraná

65,35

64,32

+1,60%

+4,56%

-2,48%

+10,11%

  Mogiana

64,50

63,33

+1,85%

+0,51%

-3,01%

+4,59%

  Ijuí

67,10

66,83

+0,40%

+0,90%

+0,24%

+10,91%

  Sorriso

51,61

51,30

+0,60%

+2,95%

-3,53%

+10,00%

  Sorocabana

64,17

64,91

-1,14%

+0,16%

-3,98%

n/d

  ESALQ – R$/saca

65,52

64,99

+0,82%

+2,25%

-4,55%

+7,55%

  DÓLAR

2,4030

2,4070

-0,17%

n/d

n/d

n/d

  FARELO PELLETS – R$/TONELADA

  Campinas

1107,70

1086,93

+1,91%

+4,31%

-4,59%

+18,80%

  Chapecó

1213,58

1213,59

-0,00%

-0,11%

-4,95%

+19,93%

  Maringá

1169,17

1155,92

+1,15%

+2,03%

-4,67%

+23,70%

  Oeste PR

1104,42

1122,71

-1,63%

-3,41%

-8,33%

+21,19%

  Ponta Grossa

1165,03

1165,04

-0,00%

-0,00%

+1,30%

+21,43%

  Triângulo MG

1033,86

1067,12

-3,12%

-7,32%

-11,36%

+6,84%

  ÓLEO DE SOJA- SP R$/TONELADA

  ICMS 12%

2136,25

2115,93

+0,96%

+0,72%

-2,72%

-19,28%

  ICMS 7%

2137,51

2102,91

+1,65%

+2,88%

-1,01%

-19,17%

Fonte -Cepea/Agência Estado

CONHEÇA OS PRODUTOS QUE TEMOS PARA VOCÊ